segunda-feira, 21 de maio de 2018

Verbos na construção do texto



Leia a letra de uma canção de Sandra Peres e Paulo Tatit:

Quando vejo o meu vovô
Que é pai do meu papai
Penso que um tempo atrás
Ele era o que eu sou
Agora sou criança
E o vovô também já foi
A vida é uma balança
Ontem, hoje e depois
Amanhã talvez quem sabe
Eu serei um outro avô
E o filho do meu filho
Será o que hoje eu sou
Ontem, hoje e depois.
(CD Pé com pé. MCD, 2004.)

1. O eu lírico da canção tem alguns pensamentos filosóficos.
a) Sobre o que ele pensa?
b) O que ele quer dizer com o trecho "A vida é uma balança / Ontem, hoje e depois"?
c) Das palavras ontem, hoje e depois, qual equivale ao centro do equilíbrio da balança?
d) Você também costuma ter pensamentos filosóficos desse tipo? Se sim, conte como são seus pensamentos. Resposta pessoal.
Professor: Estimule a conversa entre os alunos. Eis uma boa oportunidade para comentar com os alunos o fato de que as questões de natureza existencial ou filosófica sempre estiveram presentes na vida do ser humano.

2. O eu lírico se compara ao avô e pensa no que cada um é, foi e será. Observe estes três grupos de versos:

"[meu avô] Que é pai do meu papai         "Agora eu sou criança               "Eu serei um outro avô"
[...]                          E o vovô também já foi"                   
Ele era o que eu sou"                                                                               

a) Que versos expressam o que o avô foi no passado? Nesses versos, em que tempo estão os verbos que se referem ao avô?
b) Que versos expressam o que o eu lírico e o avô são no presente? Em que tempo estão os verbos desses versos?
c) Que verso expressa o que o eu lírico vai ser no futuro? Em que tempo está o verbo desse verso?
d) As formas verbais dos versos acima expressam ação, estado ou fenômeno natural? Na sua opinião, por que esse tipo de verbo é o mais adequado ao tema da canção?
e) Conclua: Qual é a importância dos tempos verbais na construção da letra dessa canção?

3. Observe a penúltima estrofe da letra da canção. Como o eu lírico vê a passagem do tempo e da vida?
Para que servem os verbos?
Juntamente com o nome, o verbo é a base da comunicação verbal. Ele está relacionado diretamente com o ser e o fazer do ser humano no mundo.
Para dizer que alguém faz alguma coisa, empregamos um verbo de ação (por exemplo, "O homem transforma o mundo"); para dizer que algo ou alguém está de determinada forma, empregamos um verbo de estado (por exemplo, "O mundo ficou aterrorizado com o início da guerra"); para indicar um fenômeno natural, empregamos um verbo que cumpre esse papel (por exemplo, "Anoiteceu subitamente hoje"). Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Verbos - Flexão de Tempo (atividades)



1. Você gosta de viagens espaciais e de viagens no tempo? Leia este texto:

Um passeio no tempo seria divertido, mas arriscado. Já pensou se numa dessas viagens você encontrasse seus antepassados e mudasse a vida deles? Imagine se sem querer você provocasse uma briga entre seus bisavós e eles não tivessem filhos? Assim você nunca iria nascer.
Como a gente não pode mesmo viajar no tempo, o jeito é se divertir com a ideia. Imagine que legal dar um pulo na pré-história e saber mais sobre os dinossauros ou conhecer as máquinas do futuro. Já pensou? (Recreio, nº 91.)

A respeito do primeiro parágrafo do texto, responda:
a) Qual é o assunto abordado? Uma viagem no tempo.
b) Nesse parágrafo, foram empregados vários verbos. Observe as formas verbais destacadas neste trecho:

"Já pensou se [...] você encontrasse seus antepassados e mudasse a vida deles? [...] sem querer você provocasse [...] e eles não tivessem filhos?"

Em que modo estão essas formas verbais: no indicativo, no subjuntivo ou no imperativo?
c) Considerando o assunto do parágrafo, responda: Por que foi empregado esse modo verbal?

2. Leia o boxe "Outras viagens".
 Você pode ter a sensação de viajar no tempo mesmo sem uma nave superveloz. Confira estas dicas:
• Faça um passeio de maria-fumaça.
• Veja fotografias e filmes antigos.
• Visite museus.
• Viaje para cidades históricas.
• Leia livros de história.
• Visite exposições de ciência e tecnologia.
• Assista a filmes e leia livros de ficção científica.

a) Qual é o assunto desse boxe?
b) Em que modo estão, na maioria, as formas verbais empregadas no texto?
c) Considerando o assunto do boxe, responda: Por que foi empregado esse modo verbal?
3. Observe:

Ontem eu fui ao cinema e vocês também foram.
Amanhã, eu irei ao cinema e vocês também irão.

Complete as frases, colocando os verbos no passado e depois no futuro, de acordo com a norma-padrão:
a) Ontem, eu estive no colégio e eles também estiveram. (estar)
Amanhã, eu estarei no colégio e eles também estarão.
b) Ontem, eu dei uma entrevista ao jornal e vocês também deram. (dar)
Amanhã, eu darei uma entrevista ao jornal e vocês também darão.
c) Ontem, eu disse um poema no sarau do colégio e meus colegas também disseram. (dizer)
Amanhã, eu direi um poema no sarau do colégio e meus colegas também dirão.
d) Ontem, eu fui sincera com meus pais e eles também foram sinceros comigo. (ser)
Amanhã, eu serei sincera com meus pais e eles também serão sinceros comigo.
e) Ontem, eu não pude chegar cedo à aula e vocês também não puderam. (poder)
Amanhã, eu não poderei chegar cedo à aula e vocês também não poderão.

4. Observe:

Ontem, eu tive uma boa surpresa. E você, também teve?
Amanhã, nós teremos uma boa surpresa. E vocês, também terão?

Complete as frases, colocando os verbos no futuro e no plural, de acordo com a norma-padrão:
a) Ontem, eu quis falar com a direção. E você, também quis?
b) Ontem, eu trouxe todos os livros. E ela, também trouxe?
c) Ontem, eu fiz toda a lição. E você, também fez?
d) Ontem, eu pus o dinheiro na conta. E ele, também pôs? Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Exercícios sobre Verbo e Flexão dos Verbos (atividades)



Leia a tira a seguir, de Fernando Gonsales, e responda às questões de 1 a 3.
1. O rato está vendo televisão. A que tipo de programa ele assiste?
2. Na fala do locutor do programa, há vários verbos. Identifique-os e explique a relação que há entre eles e o tipo de programa apresentado.
3. Explique o comentário do rato no 3º quadrinho.

Quanto em altura os bichos podem saltar?
O canguru é o campeão: seu salto alcança 3,5 metros de altura. A pulga pode saltar a uma altura de 25 centímetros, mas ela só tem 2 milímetros. Comparando, um canguru precisaria dar um salto que atingisse a altura de um arranha-céu para se igualar à pulga.
Fonte: Marcelo Duarte. Guia dos curiosos. Site: http://guiadoscuriosos.ig.com.br

4. Leia este poema de Elias José:
Trapezista
É uma palavra que se atira no ar,
com o seu corpo de fera ágil,
buscando o diálogo com o outro
num misto de raio, dança e riscos.
Conjuga pernas e pés, braços e mãos,
troncos e quadris e nervos
com harmonia e perfeição.

É uma palavra que sabe o espaço
e doma o tempo, o medo e o jogo
e bebe a glória, os aplausos e a festa.

A palavra TRAPEZISTA vibra nos sonhos
do menino que quer voar um dia...
(Pequeno dicionário poético-humorístico ilustrado. São Paulo: Paulinas, 2006. p. 90.)

a) Passe um traço embaixo dos verbos que indicam as ações relacionadas à palavra trapezista.
b) No verso "[trapezista] É uma palavra que se atira no ar", o que o verbo ser indica?
• estado       • mudança de estado      • ação

5. Agora compare o poema de Elias José à tira de Fernando Gonsales.
a) O que os dois textos têm em comum, quanto ao assunto?
b) No poema de Elias José, a palavra trapezista tem semelhança com a pessoa do trapezista? Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 20 de maio de 2018

Atividade sobre Verbete de enciclopédia (Saerjinho)




Questões do Saerjinho de Língua Portuguesa a partir de um "verbete de enciclopédia"

Leia o texto abaixo.
Botânica
BOTÂNICA – s. f. (do gr. botanikê, de botáné, planta.) Estudo científico dos vegetais. Adj. Relativo às plantas, ao reino vegetal, à botânica. Histórico. A etnobotânica encerra a origem da botânica, que foi praticada por todos os povos e consiste em conhecer e denominar plantas inteiras, partes de plantas (folhas, frutos, grãos) ou os produtos vegetais suscetíveis de serem usados como remédios, venenos, alimentos, bebidas e em magia. O grego Teofrastos, discípulo de Aristóteles, foi o primeiro a propor uma classificação “desinteressada” das plantas, opondo monocotiledôneas e dicotiledôneas. Foi somente no séc. XIV que o afluxo de plantas novas, chegadas das Américas, estimulou o esforço de classificação botânica (Césalpin, Bauhin). No séc. XVIII, Lineu definiu numerosas espécies, porém classificou-as mal, enquanto os Jussieu delimitaram as grandes famílias. Enfim, no séc. XIX, P. de Candolle definiu as classes e as ramificações. A anatomia e fisiologia vegetais são as mais recentes: no séc. XVIII, Grew descreveu a reprodução por estames e pistilos. Haller estabeleceu a circulação da seiva em 1727; Ingen-Hoousz definiu a liberação de oxigênio por parte das plantas iluminadas em 1779; Thuert descreveu a fecundação das algas em 1854; Navachine determinou a dupla fecundação das angiospermas em 1898. No séc. XX, chegamos a bom conhecimento da fotossíntese (ciclo de Calvin), das auxinas ou substâncias de crescimento (Went), da simbiose (Noel Bernard) e das leis da florescência (fotoperiodicidade). A botânica atingiu o estágio de experiência em grande escala com os fitótrons (Pasadena, nos EUA; Gif-sur-Yvette, na França).
Grande enciclopédia Larousse. São Paulo: Nova Cultural, 1998, vol.4, p. 341.

1. Esse texto é um exemplo de
A) um relatório.
B) um verbete.
C) uma biografia.
D) uma notícia.

2. De acordo com esse texto, a fotoperiodicidade relaciona-se, diretamente, com
A) conhecimento da fotossíntese.
B) estágio de experiência.
C) leis da florescência.
D) substâncias de crescimento.

3. Qual é a principal finalidade comunicativa desse texto?
A) Dar uma notícia.
B) Expor um saber.
C) Localizar um endereço.
D) Relatar uma experiência.

4. No trecho “… classificou-as mal, enquanto...” ( . 10), a palavra destacada refere-se a
A) bebidas.
B) plantas.
C) espécies.
D) famílias.

5. No trecho “… ou os produtos vegetais suscetíveis de serem usados como remédios,...” ( . 5), a palavra
destacada significa
A) conhecidos.
B) impedidos.
C) possíveis.

domingo, 13 de maio de 2018

Aula sobre Expressões Redundantes



Ocorre redundância quando, numa frase, repete-se uma ideia já contida num termo anteriormente expresso. Assim, as construções redundantes são aquelas que trazem informações desnecessárias, que nada acrescentam à compreensão das mensagens. No dia a dia, muitas pessoas utilizam tais expressões sem perceber que, na verdade, são inadequadas. Veja a seguir frases com expressões redundantes frequentemente utilizadas.

"Eu e minha irmã repartimos o chocolate em METADES IGUAIS."
Ao dividir algo pela metade, as duas partes só podem ser "iguais"!

"O casal ENCAROU DE FRENTE todas as acusações."
Seria possível que eles encarassem "de trás"?

"Adoro tomar CANJA DE GALINHA."
Se é canja que você toma, só pode ser "de galinha"!

"O estado EXPORTOU PARA FORA menos calçados este ano."
E como ele poderia fazer para exportar para "dentro"?

"Quando AMANHECEU O DIA, o sol brilhava forte."
Você já viu amanhecer a "noite"?

"Tiradentes teve sua CABEÇA DECAPITADA."
Alguém já viu um "pé" ser decapitado? Decapitação só existe da cabeça mesmo!

Fonte:  Site soportugues.com.br